quarta-feira, 12 de agosto de 2015

Viver dá...

Olá, pessoal!

     Tudo bem? Para variar, sumi... Mea culpa, mea maxima culpa. Mas podem reparar, não sou um pontinho fora da curva... Quase todo mundo dá aquele sumiço dos blogs quando acaba o período mais crítico da doença... É triste, é ruim, eu mesma tinha raiva disso, mas... Acontece.

     Acontece, por mil motivos. Porque você dá uma cansada de tantos "oncoassuntos", porque você volta numa de tentar recuperar o tempo perdido, porque você volta ao trabalho e ele acaba te sugando... Enfim, você some. Não é legal. Mas, é o que ocorre na maioria dos casos.

     Hoje, por exemplo, só estou escrevendo aqui, porque tive um semi-piripaque no meu emprego 1 do dia (simmmm, porque médico nesse Brasil varonil tem uns 10 empregos... Mas... Não vou entrar nesse mérito. Não é o foco por aqui...), e vim para casa mais cedo... Não ache que é fácil assim. Foi preciso o piripaque se iniciar ontem, eu trabalhar hoje e ver que não tinha a menor condição de pegar a Dutra, para, cheia de culpa, não ir ao trabalho hoje... E detalhe. Neste emprego estou num processo de adaptação. Que de adaptação não tem nada. Mas, enfim...

     E aí a gente se pergunta. Por que se cobrar tanto? Vejo gente que nunca teve nada de mais grave faltando porque teve um resfriado. Acho que sempre me cobrei e agora, ao invés de relaxar, estou me cobrando ainda mais... E? Nada. Não estou conseguindo mudar isso. Fico devendo... Para 2016...:)

     Outro ponto... Quando estava no meu momento piripaque, vem uma vozinha dizendo... "Você teve câncer, não pode se estressar assim..." - Ô, carai... Se eu me estresso, câncer. Se eu guardo, câncer. Se eu comer alface, cuidado! Agrotóxico! Câncer. Orgânico? Água que lavou a rúcula, tinha hormônios, câncer... Resumindo... Viver dá câncer. E só em mim, né? Você que fuma, pega 3 horas de engarrafamento, come MacDonald´s 2x/semana, não faz uma atividade física, se estressa ouvindo rádio, lendo jornal e vendo TV à noite, está tudo bem, né? Vai virar semente, fof@? Morrer todos vamos, para de me "agourar". Ainda vou virar a "véinha" da foto...



     Resumindo. Vim aqui para um momento-desabafo. Porque vi que não mudei tanto assim depois que fiquei doente. Que a vida voltou a ficar mais ou menos como era antes... Com dois adendos: agora me pelo de medo de ter recidiva, então até unha encravada é motivo de pânico e quando estou no auuuuge do estresse, lembro do cabelo caindo, dos "baldinhos de enjoo" e vejo o que realmente importa. Obrigada por ainda ter esses momentos de lucidez, Senhor. 

     E para as que reclamaram do meu sumiço. Não é por mal. É trabalho demais mesmo.
Obrigada pela compreensão. Volte sempre. 
Beijos!!!

P.S. Um alento para as meninas que estão no meio da "bagaça": sou a prova viva de que a vida volta ao normal...;)





13 comentários:

  1. Quantas vezes tenho que implorar para vc se cuidar mais, hein mocinha? Me preocupo com vc pq te amo e quero ver te bem e feliz! Vamos tentar sempre refletir no que realmente vale a pena. Sei que o seu trabalho implica em cuidados e que várias pessoas dependem do teu esforço, mas o que adianta cuidar tanto dos outros e cada vez mais ficar distante de si? Me preocupo com vc, minha amiga linda. Um grande beijo e se cuida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudade!! Vou me cuidar... rsrs
      Assim que eu arrumar um marido rico! rsrsrsr
      Te amoooo

      Excluir
    2. Um marido cheio de irmãos e amigos igualmente ricos para compartilhar com suas leitoras. Pode ser? Bjs Naru

      Excluir
  2. Qdo tiver querendo dar xilique lembre-se que poderia estar tendo um dia de bosta como o meu hj kkkkkkk kkkkkkk affffffff que merda. Mas eu descobri graças ao seu blog: a culpa é do alface. Agora permita-se ser humana. A gente tá viva porraaannnn. Te amo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. #aculpaehdoalface
      Mané a culpa é das estrelas...
      Nós somos orgânicas!

      Excluir
    2. Invadindo o comentário da Mi, eu sou vizinha de porta da mãe dela, Marina! :D
      Conversei taaaaanto com ela hj, foi tão legal! E aqui estou comentando até porque eu vi q vc tem umas coisas de Clarice Lispector e eu JUSTAMENTE estava falando hj pra Mi como a Clarice escreve, como ela prende a gente, como faz a gente pensar na nossa vida!
      E as histórias de vcs também me fazem pensar na vida, e como eu sofri as minhas dores (nunca tive câncer, mas sofri com cirurgia no peito, então na minha dor eu posso imaginar 1/10 do que vcs passam) e como a gente se refaz mesmo.
      Parabéns pela força e tamos aí!
      Beijos
      Isa

      Excluir
    3. Isa!!!!! Prazer!!!!! Nossa... Se eu tiver 1/92827227 da Clarice Lispector, já valeu ter nascido... rsrs
      Que bom que nossas histórias servem para as pessoas repensarem suas próprias vidas. É para a gente refletir mesmo sobre o que realmente é importante! O que realmente faz diferença!
      Muitos muitos beijos!!!!

      Excluir
  3. Eita mulher que usa e abusa da sensibilidade no escrever ...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigadaaa! Mas amigo não conta!! :P
      Bjoooos

      Excluir
  4. Bom saber de você!
    Os piripaques existem para todos os mortais que vivem a adrenalina da abertura de um laudo e a espera pelo novo exame.
    Tenho fé que uma hora conseguiremos um equilíbrio.
    Em relação a vida normal, tenho minhas dúvidas. Somos normais????
    Beijos. Naru

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De perto, ninguém é normal!
      Eu então...:)
      Muitos muitos beijos!

      Excluir
  5. Oi Marina, vc é incrível, parabéns!!! Mas qual foi o Bi rads que deu no seu exame, o primeiro, que vc descobriu?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que era Birads 5... Mas juro para vc que não tenho certeza. Só sei que fui direto para a biópsia, sem ng ter dúvidas...

      Excluir