sexta-feira, 29 de maio de 2015

Não, eu não morri...

Oi, pessoal!

     Estou de volta... Estava há meses pensando no que escrever, cheguei a criar um diário de papel para sair escrevendo pensamentos conforme um livro (Para Manter a Mente Sã, da School of Life) me mandou, mas ainda sentia falta de estar mais presente aqui... Sabe aquela coisa do "amanhã eu faço?", pois é...

     Até que hoje, uma amiga de trabalho (que não sabia do meu "passado me condena"), me pediu para ver o blog depois que contei rapidamente do momento "minhas próprias células fdp tentaram me matar". Qual não foi a minha surpresa ao ouvir: "Poooo, você não escreve desde fevereiro! Vão achar que você morreu! Mega desestímulo para as amigas!" E eu esperando ouvir um reles "Que maneiro..."

     Pooooo, morrer não... Não ainda e espero que nem tão cedo... Ainda tenho tanto a fazer... O cabelo, as unhas, colocar um preenchimento aqui, terminar o mamilo (tô no devedor quanto a isso!), finalmente frequentar a academia e ter um abdome sarado, uma bunda no lugar... Enfim, tantas coisas úteis ao mundo... A Terra não pode ficar sem mim agora!

     Graças a Deus, por hora, não tenho onconovidades para contar, mas a ressonância das mamas está marcada para 19 de junho... Uuuuiii... Medinho, arrepio na espinha, orações, velas compradas, terços em punho e 'vambora torcer para não ter nada além de um Birads2. Porque hoje eu estava engarrafada pensando em qual momento eu fui mais feliz nos últimos meses e lembrei: ler um Birads2 na última RNM. Conclusão: ou minha vida anda bem b... Ou depois de ter tido um Birads6, o mais legal da vida é realmente ter um 2 vida...

     Hummm... Quanto às novidades "outcancer"... Estou num emprego novo, num curso novo, com um namorado já quase velho (hehe, ele me mata agora!), com o mesmo carro, na mesma microcasa e com 3 gatos... Simmm, tenho três gatos agora. E... Com planos animados para 2016.

     Gente, hoje nem estava mega criativa, mas vim aqui só para dizer que ainda estou vivinha da silva... E que volto... E em breve! :)

     Mil beijos!!!

     

domingo, 1 de fevereiro de 2015

Manual para quem teve câncer...

É, amiga, você teve câncer...

Que m..., hein? Por mais que a gente tenha muito mais a comemorar do que a chorar, venhamos e convenhamos, não foi fácil, né? Só a gente que passou sabe o quão difícil foi, por mais forte que tenhamos parecido ser...

Nessa semana me vi relendo o post que fiz sobre o "Manual para quem descobriu que está com câncer" (link aqui), e pensei... Por que não fazer o para quem sobreviveu a esta meleca?

Antes das críticas, não sou um ser iluminado dando dicas de como ser, fazer, agir, só tento brincar com essa droga de doença que aconteceu com a gente (ou com alguém importante para você...).

Vamos às dicas?

1 - Primeira delas. Você é sinistra. Sério. Enquanto suas amigas choravam porque queriam uma bolsa, um sapato, um perfume, que o cabelo alisasse (ou encaracolasse...aff, mulher nunca está satisfeita com nada), que a barriga ficasse tanquinho, que a bunda virasse a de madrinha de escola de samba, nós estávamos querendo apenas sobreviver. E lutamos muito para isso. Cara (sou carioca, lembram?:), você é Ph..., com ph mesmo...


2 - Você está dando muito mais valor à vida. Claro que você tem problemas. O seu emprego tem momentos chatos, seu chefe te perturba, muitas vezes você nem conseguiu voltar a trabalhar, as contas não pararam de chegar, você ainda pega trânsito, gente te destrata em alguns lugares, masss... O que significa isso quando você compara aos momentos pós-quimio??? Ahhhh, tiramos isso de letra.

3 - Seu cabelo cresceu. Em algumas, ele cresceu mais liso, em outras mais ondulado, mais branco, mais louro, mais escuro... Mas cresceu... E cá entre nós duas, você já voltou a reclamar de ter que secá-lo antes de sair, não foi? E a conta do cartão de crédito voltou a crescer com xampus e condicionadores caaaaros, não voltou? Seu banheiro já parece o setor de higiene pessoal do mercado... Lembra quando ele começou a cair? Pois é, ele cresceu e você já faz até rabo de cavalo...


4 - Lembra aquele soutien bege enoooorme que você comprou para o pós-op da mastectomia? Você acaba descobrindo que até que o danado era confortável, naquele dia de desespero onde os bonitinhos estão lavando e você apela para o bege-vovó mesmo...

5 - Você agora tem uma cicatriz gigante no peito... (ou nos dois, ou na barriga...). E sabe o que isso quer dizer? NADA! Quanta mulher não anda operando e ficando com cicatriz enorme por motivos estéticos. A nossa foi sobrevivência, baby...:) E ela diz respeito ao item 1.

6 - Você pode não estar se alimentando da forma mais correta, pode ainda não estar fazendo exercícios (mea culpa...), mas sabe bem que precisa e vai encaixar isso na sua vida nos próximos 15 dias.

7 - Como a gente ficou alguns meses longe de algumas coisas bem boas durante o tratamento, agora cada mergulho no mar é ainda mais gostoso, cada salada crua é ainda mais saudável, cada cinema é ainda mais legal... Até aquela praia lotaaaada dos fds está ótima. 



8 - Você agora sabe bem o que outra paciente com câncer está sentindo. E sabe o que é bom disso tudo? Você pode realmente ajudar outras pessoas. E como faz bem para alguém que está começando o tratamento ouvir de alguém que já passou por isso de que está tudo bem, de que a vida seguiu e a dela também vai seguir...

9 - Você tem um medo que se pela da meleca do câncer voltar... Eu sei. Cada mês de fazer exames é pior que pular de asa-delta sem a asa... Sensação pura de medo. Afinal quem achou bom encarar um diagnóstico desses? Mas, vamos ser racionais (ao menos tentar): quantas pessoas são atropeladas todo dia? Quantas morrem em decorrência da violência? Pois é, para morrer basta estar vivo, então vamos aproveitar bem o hoje, pois o amanhã ninguém (mas ninguém mesmo!) sabe se chegará.

10 - Por falar em medo que se pela... Quer parar com essa mania infeliz de continuar abrindo os laudos antes de levar ao(s) seu(s) médico(s)???? E lá vai correr para o Dr.Google e ler um mooonte de coisa nada a ver... E para de querer fazer os exames de tudo quanto é coisa porque quer descobrir logo se tem metástase... Na boa, se tiver você vai tratar. Para de sofrer de véspera! Ou você é peru? 



11 - E que tal aproveitar que você passou por esse perrengue ainda jovem e tentar saber qual é sua meta (suas...) de vida. Muitas vezes as pessoas só param para pensar no que querem deixar de lembrança para os que ficam neste mundo, quando já estão beeeem velhinhas... A gente encarou a morte bem cedo, foi uma droga, mas já sabemos bem que ela chega e vai chegar para todos... Que tal aproveitar a vida e deixar nossa marca com orgulho de termos vivido bem e fazendo o bem?

12 - E para não acabar no 10, porque afinal somos diferentes... Vamos ser felizes. Não sempre, pois tivemos câncer, não ficamos loucas... Sabemos que terão dias nublados, assim como existem os dias de sol... A vida é cíclica, mas que a gente consiga fazer com que os dias mais pesados sejam menos frequentes e que a alegria de estar viva perdure na maior parte da vida. E ´bora aproveitar que é fevereiro e #partiubloquinhos. UHUUUUUUUUUU!


P.S. Dia 08 de fevereiro farei 4 anos de mastectomia. Acreditem, passa rápido. E vambora para os 5 anos! UHUUUUUUUU²!

P.S². Em virtude de comemorar 4 anos de sobrevida (odeeeeio esse termo...), dia 08/02, aceito presentes, viu???

Mil beijos para todas!


quinta-feira, 25 de dezembro de 2014

Respeitando a vontade dos outros... Fim da vida, paliação e afins...

     Olá, meninas!

     Como foram de Natal? O meu foi o de sempre: comi, comi, comi... Assisti à missa e trabalhei...
Nem reclamo de trabalhar no Natal, sempre soube que isso poderia acontecer ao escolher ser médica. Ninguém me enganou falando o contrário... Então, encaro como uma chance de levar carinho e atenção aos pacientes que estão internados neste dia.

     Para variar venho para o blog escrever meio sem tema. Parece sessão de terapia, aonde o psicólogo falava para vir de mente vazia, aberta e deixar fluir. Faço isso aqui, as palavras vão saindo e vou deixando rolar. Às vezes até sai um texto interessante...

     Natal é sempre aquela época aonde paramos para refletir, repensar a vida e analisar o que realmente importa para a gente. Neste ano, Deus (ou no que quer que você acredite...) parece ter me dado mais um sinal de que devo aproveitar e focar no que realmente importa na vida. Venho atendendo muitos pacientes oncológicos. Claro que ter passado pelo que passei ajuda e muito a entendê-los, mas a sensação que tenho é que ainda estamos longe de saber lidar com pacientes que não têm mais chance de cura, mas ainda têm muito o que viver.

     Ontem vi o atendimento de uma paciente da mesma idade que eu, com ca de mama metastático e uma agonia infinita por parte dela e da família. E aí? O que fazer? Não tive nem tempo de conversar com ela e lá estava ela sendo transferida para o CTI. Poxa, será que isso era o melhor para ela? Ou foi o melhor para a equipe? Até onde vai a nossa agonia e o mais certo a ser feito pelo bem estar do paciente e do seu familiar?

     Sei que são muitas perguntas que vão além apenas do conhecimento técnico da medicina. Envolve crenças, experiências prévias por parte de cada um, a relação com o paciente e seu familiar... Mas tenho certeza que podemos ser melhores. Precisamos fazer uma medicina diferente. Dar amor, respeitar, dar qualidade de vida. E nesse blablabla todo, resolvi que a meta para 2015 é ser uma médica mais completa e melhor. Inscrição do curso de cuidados paliativos já está feita. :)


     E espero ainda voltar aqui ainda esse ano para traçar novas metas para um 2015 mais pleno e feliz.

     E vamos ao que importa... Você que é paciente (oncológico ou não), como você gostaria de ser tratado (a)? Quer ser mais ouvido? Dar mais chance para sua família ser ouvida? Vamos fazer um mundo melhor, nem que seja num começando num quarto de hospital...:)

     Muitos beijos e um Feliz restinho de Natal...

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

O tempo passa... O tempo voa...

     Olá, meninas!

     Voltei antes do que imaginavam, né? Prometi que quando tivesse alguma ideia e sendo possível, eu escreveria rapidamente aqui... Hoje a ideia veio, e estava em casa... Logo, vamos ver no que vai dar...:)

     Nem sou muito de fazer rascunho quando escrevo. Vou deixando as palavras aparecerem, digito (cato milho, vá lá...) e no final dou uma revisada e publico. O que vem do coração sai mais leve. E se posso dar uma dica para quem está no meio do furacão do diagnóstico/tratamento de um câncer, vai essa: escreva. Ajuda muito. No meu caso posso dizer que foi parte importantíssima para eu manter minha saúde mental quase em dia... (Normal, normalzinha eu nunca fui mesmo... rs)

     Mas vamos ao que interessa: o texto de hoje. 

     Essa semana rolou comemoração de fim de ano com o pessoal do trabalho. Tá, e daí? Todo mundo neste mundo de meu Deus deve ter participado de ao menos uma festcheeenha de fim de ano, mesmo achando que Cristo era só mais um cara cabeludo, gente fina e do bem... No meu caso esse momento serviu para muito mais do que ter certeza de que trabalho com pessoas mais do que especiais... Serviu para fazer um flashback do que aconteceu de 2010 para cá...

     Há 4 anos atrás, nos idos de 2010, a Copa tinha sido na África do Sul, eu tinha acabado de me matar no mestrado, mudado de rumo no que diz respeito à vida sentimental, entrado em 2 empregos diferentes e perdido um dos maiores amores da minha vida: o Toddy, meu labrador chocolate mais lindo do planeta... 2010 tinha sido tão sinistro que esperava um 2011 mais tranquilo, com esperança de que a calmaria estaria chegando... Ha ha ha


     E 2011 chegou. Num réveillon em Mauá, sem um barulho de fogos, cachoeira e muito ar puro. Pronto, era o prenúncio da paz que reinaria. Tolinha de novo: 24 de janeiro e vem a cartinha mais temida que, resumidamente, dizia: F... Você está com câncer. Morri, ressuscitei e fui à luta. Mastectomia, quimioterapia, ficar careca, vomitar a alma, mais cirurgias, parar de trabalhar totalmente por 2 anos, mais medicações injetáveis, mil consultas, três mil exames, medo, muito medo e mais vontade ainda de viver e ser feliz.

     Mas e por que essas recordações assim e no meio de uma festa de trabalho? 


     Porque essas pessoas que estavam ao meu lado nem devem saber, mas elas que abriram os braços e me acolheram no meu retorno. Retorno ao trabalho, retorno ao "mudar novamente de lado na maca", retorno à vida... E elas me receberam tão bem, que já faz quase 2 anos que este retorno aconteceu, mas ainda hoje eu agradeço muito por saber que posso contar com elas. Mesmo que elas não tenham noção disso, elas são minhas anjinhas da guarda. E eu jamais esquecerei dos sorrisos, das gargalhadas e do apoio incondicional que elas me dão todo dia, o dia todo. 

     E que 2015 passe logo... E 2016 chegue rápido... E 5 anos terão se passado... :) 

     ..." Para todo mal, a CURAAAAA..."  ou ..." há cura..." (a critério do freguês)

     Mil beijos!

     

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

A hora é agora...

     Olá! Tudo bem??

     Nossa, se eu chamava o que acontecia antes de sumiço... O que aconteceu agora foi desaparecimento total mesmo, devo ter ido para Marte com o Curiosity, sumi com a água de SP ou com a vergonha na cara dos políticos...

     Se por um lado esse meu sumiço é ótimo sinal: meus exames estão todos normais... Por outro é sinal de que a vida voltou a ser exatamente como era antes do câncer: trabalho, muito trabalho... E isso pode não ser tão bom assim...

     Relendo meus posts prévios, vi que eu ia mudar mil coisas na vida e de verdade? Mudei mais minha forma de pensar do que a de agir... Continuo me dedicando demais ao trabalho, confiando em quem não merece tanto, abrindo mão de muitas coisas e ainda dizendo muito "SIM", quando na verdade o que eu mais queria era dizer um sonoro "NÃO"... 



     Mas, como na vida não podemos ser estáticos e sabemos de antemão que sempre iremos errar, o que precisamos fazer é reconhecer que erramos e mudar, aprender, evoluir... Não pode saber que está errado e continuar batendo cabeça...

     E, em 8 de dezembro de 2014, dia de Nossa Senhora da Conceição, comecei com minha primeira mudança: o agora é o que importa. Baseado num livro que estou lendo, o amanhã eu deixo para depois. O hoje é o que eu tenho de certo. E ele vai ser o melhor possível. E que a cada minuto, hora, dia, mês, eu tenha aproveitado cada momento. 

A hora é agora, o momento é já:


quinta-feira, 10 de julho de 2014

A mulher que eu virei...

     Olá, meninas!

     Para variar, estou sumida, né? Eu sempre prometo não desaparecer muito, mas acaba que a vida vai dando voltas e acabo chegando tão cansada, que fico sem ideia para escrever aqui... (mentirinha, ideias eu sempre tenho, me dá é preguiça mesmo!).

     Sumi porque a vida tem dessas reviravoltas, né? E nós, que passamos por uma meleca de uma doença, sabemos bem como ela dá essas guinadas e como elas aparecem de onde menos se espera. Pois bem, aconteceu algo assim, mas só que no meu trabalho. Onde éramos um grupo, viramos duas. E sabe o que isso me mostrou?

     Que não é que o &%$#@ do câncer me deixou algo de bom? Agora, no auge do estresse, penso que se me livrei de uma doença dessas, nada mais vai me abalar... Se no auge do diagnóstico eu aguentei de pé... O que mais pode me derrubar? Gente falsa? Trabalho demais? Falta de compromisso/comprometimento? Ah, tiro de letra. Meu cabelo já caiu, já fiquei careca, já tive a pele igual a um Chokito... Isso é café pequeno.

      Problemas sempre aparecem, a maturidade nos mostra que a forma como os encaramos é que nos diferencia dos demais.
   
     E depois desse estresse/decepção é que eu percebi que mulher que quero ser e continuar sendo:
     - aquela em que os outros podem contar/confiar
     - que trabalha no que ama e o faz da melhor forma possível
     - aquela que mesmo no meio do tsunami, consegue manter a respiração calma, mas com o foco de voltar à superfície
     - ter paz e saúde.

     E que eu continue cada vez mais aprendendo... E sabendo que a vida é isso: um eterno aprendizado. E que eu não repita de ano. :)


     Mil beijos! Saudades de vocês!

quarta-feira, 28 de maio de 2014

Eu acredito!!!

     Olá, meninas!!

     Tudo bem?? Comigo tudo ótimo. Vida voltando cada vez mais ao normal, apesar de saber que depois de passar pelo que passamos, voltar ao normal (normaaaal mesmo) nunca mais será possível (como esquecer dos cabelos caindo ralo abaixo, do enjoo das quimios, da cicatriz enorme?). Mas, a vida volta aos eixos e, acho eu, que voltamos encarando tudo de uma forma diferente.

     Eu sempre escrevi aqui sobre meu tratamento, sobre como eu tinha encarado o câncer, mas poucas vezes escrevi sobre minha vida "fora do mundo oncológico". Dividi com vocês várias angústias e várias "divagações", mas sempre que lia blogs sobre câncer, sentia falta das pessoas escreverem como elas estavam depois que tudo passou... 

     Pois bem, cá estou eu 3 anos após a mastectomia, 2 anos e uns quebrados após o término das quimios, 1 ano e uns quebrados (quase 2!!) do término do Herceptin, comemorando com vocês o fato de eu estar me sentindo de volta ao trabalho. Vocês vão estranhar... Mas, ué, já não voltou ano passado? Simmmmmm! Não fiquei doida. Vou explicar... :)

     Em fevereiro do ano passado, tive a chance de voltar a trabalhar antes do que eu imaginava. Como todo recomeço, foi difícil, achava que não saberia mais ser médica, estava insegura com tudo. Mas fui muito bem recebida por todos do Hospital Badim. Tive apoio, carinho, orientação, ajuda e mais todas as palavras bonitas que vierem à sua cabeça nesse momento. 

     Foi difícil? Muito. Se reiventar após 2 anos afastada e tendo passado por uma experiência que te mostra que você tem sim um fim, te faz refletir de todas as formas. Bobeiras são bobeiras. Mas certas angústias são reais. E sempre tive a sorte de ter profissionais ao meu lado que compreendiam isso. Descobri que mais do que COLEGAS DE trabalho, tenho AMIGOS NO trabalho.


     E hoje, nosso hospital foi acreditado com excelência... E isso foi maravilhoso. Mas, além do paciente poder ter confiança na qualidade do nosso atendimento, entendi o real significado da palavra EQUIPE. E esse meu "blablabla" todo foi para isso. Para agradecer enormemente a todos que compõe a grande família do Hospital Badim. Saber que você faz parte de um grupo que quer construir JUNTO no mundo de hoje faz toda a diferença. Sentir que pertencemos a um lugar onde todos querem SE ajudar, faz valer a pena sair todo dia de casa cedo. 

     Obrigada a todos do Badim. Obrigada por me fazer voltar à vida e com toda essa vontade de fazer melhor. Obrigada por me mostrarem como fazer a diferença. E juntos. 



     Meninas que estão chegando agora: Espero que essa mensagem sirva de conforto para quem está na fase do início do tratamento. O tempo ameniza todas as dores. Vai passar. Acreditem. Eu e todos do meu trabalho acreditamos. :)

     Muitos beijos!