sexta-feira, 16 de março de 2012

Porque és o avesso do avesso...

     Olá, meninas!

     Tudo bem? Hoje volto com boas notícias, que espero, se concretizem ao longo dessa semana. Fiz a ultrassonografia de mama. Da mama que restou. A radiologista disse que estava tudo bem, que meu seio direito está se comportando e não surtou como o esquerdo. Ai, ai, ai, peito esquerdo! Você tentou me matar... Por que não imitou seu irmão da direita e ficou quietinho? Hoje você estaria aqui, feliz, serelepe, sendo bem tratado, hidratado, lavadinho com os melhores sabonetes da L´Occitane e o escambau... Mas, nãoooo, você e suas células malucas se rebelaram, resolveram que iam dominar o mundo, se lascou! Perdeu, playboy! Que você esteja em várias lâminas e parafinas e daí nunca mais invente de me perturbar. Que você não tenha enviado células malucas para nenhuma outra parte do meu corpitcho e que eu esteja livre do câncer de vez. Sinto isso. E que isso se concretize cada vez mais. A cada exame ainda mais.

      Continuando com as boas notícias. Ainda continuo de licença médica para meus empregos como pneumologista. Meus parcos leucócitos ainda não se animaram. Minha medula cansou e está dando um tempo. E como boa parte dos meus pacientes é infectado por algum bichinho contagioso, cá estou eu de licença. Vou ter perícias no final do mês Vamos ver o que resolvem. Mas esses comentários não faziam parte da boa notícia. A boa notícia é que eu comecei a parte prática da pós de Geriatria. Vesti um jaleco pela 1a vez em quase 1 ano. Foi o avesso do avesso pela 1a vez em 11 meses! Depois de tantas vezes sentada do lado de cá das mesas, eu estava de novo fazendo o que eu sei fazer: atender! E quanta falta que isso me fez. Ah! E como estou enxergando as necessidades dos pacientes de uma nova forma. Agora entendo melhor os olhares de angústia, a busca por um ombro, muitas vezes mais do que apenas um remédio, entendo a busca por um alento, uma palavra de apoio, uma cumplicidade. A gente muitas vezes quer isso dos nossos médicos. Um companheiro de luta. E isso eu aprendi com a minha mastologista. Como ser técnica e amiga. Como ser uma excelente médica e se mostrar sempre à disposição. Essa lição eu levei comigo e já pude por em prática hoje. Já agradeci a ela por tudo mil vezes. E acho que nunca terei palavras para agradecer e agradecer por tudo que ela tem sido e feito por mim.


     Espero que hoje tenha sido o 1o de muitos dias atendendo novamente. Muitos dias com o esteto pendurado no pescoço. E quando eu estiver cansada de atender, que eu me lembre dos dias em que eu estava do outro lado. Em que eu era a paciente em busca de apoio, da cura, do alento. E de como fui ajudada. E de como isso foi importante na minha recuperação... Que eu me lembre dos olhos do senhor e da senhora que atendi hoje. Que eu chegue lá. Que eu também tenha alcançado a sabedoria dos idosos, o olhar cheio de rugas, a pele frágil, com manchas, a dificuldade no andar, os cabelos brancos, mas aquele olhar doce de quem tem sempre muito a ensinar e a nos dizer. Viver é bom! Envelhecer é maravilhoso. E agora quero mais do que nunca ser uma médica beeeeem velhinha. E atender, atender, atender... E voltar à vida aos poucos. E sendo feliz. Sempre!

     Mil beijos e um ótimo final de semana para todas!

9 comentários:

  1. Fiqquei emocionadissima.
    Tb tenho saudades de atender...estou afastada ate outubro...
    Achei uma graça vc brincr que o seu sei esquerdo rebelou, o meu foi o dirreito que resolveu revoltar kkk
    bju enorme

    ResponderExcluir
  2. Minha amiga querida,
    A muito a sua força me emociona, a sua garra me contagia ! O seu blog é inspirador e vc leva muito jeito para escrever ! Andamos distantes mas vc sempre foi uma amiga querida e especial ! Espero vê-la em breve.

    Bjs

    Bernardo

    ResponderExcluir
  3. Falou e disse TUDO! A medicina é linda... para quem sabe praticá-la com amor e carinho. Esse texto, a partir de agora, é um exemplo para mim, Má. É tudo que quero ser quando estiver formada... ou até mesmo agora na minha carreira acadêmica... nos meus dias de atendimento, no meu contato com o outro. Parabéns pela sensibilidade... parabéns pelos melhores desejos que habitam esse coração incrível que vc tem...
    Bjoooos.

    ResponderExcluir
  4. Miriam Mello Freire17 de março de 2012 07:02

    Dra Marina, quero ser sua paciente, já estou chegando na 3a idade, kkkkk, mas me sinto uma menina,kkkkk, lindo lindo tudo que escreveu, como nossa visão de tudo muda, agora estamos vivendo plenamente, e isso é maravilhoso e não podemos esquecer de comemorar a vida todos os dias, amo isso !!!

    ResponderExcluir
  5. Amiga doutora, estou felicíssima em ler seu post, percebí o qto vc precisa SER médica, e vc conta isso com o maior amor mesmo...quem dera todos os médicos fossem como vc...ainda bem que vou ter uma médica de confiança para minha 3ª juventude, kkkkkkkkk.... e tomara q vc esteja aqui pertinho de mimmmmmmmmmmmmm...bjo amoreeeeeeeeee...

    ResponderExcluir
  6. Estou emocionada. Vc me fez relembrar a nossa missão aqui. Têm tantos dias que a gente tá sem paciência, preocupada com os nossos problemas... Fico feliz em ver vc empolgada de novo. É o retorno de jedi! Tô mto orgulhosa. E com mta saudade! Bjos

    ResponderExcluir
  7. É isso aí amiga! fico feliz com suas boas notícias....a frente e a avante rsss,
    Beijos da Sol

    ResponderExcluir
  8. Boa tarde,
    Gostei muito do seu olhar ter mudado em relação aos seus pacientes. Muitas vezes clamamos para o médico nos olhar, nos enxergar. Queremos que ele não se comporte simplesmente como um médico, mas que seja um "pouco" humano.
    Creio que sei pacientes vão amar este novo olhar... esta nova médica que esta renascendo.
    Parabéns! Beijos no coração!

    ResponderExcluir
  9. Querida do meu coração, é isso ai!!

    ResponderExcluir